Bimby ou não Bimby, eis a questão

Fazemos parte dos 5% de população que não tem uma Bimby e seguramente do 1% dos nossos amigos que ainda não se rendeu. Costumo dizer que tenho tachos e braços, de onde posso perfeitamente cozinhar.

Até ao dia em que começamos a equacionar como serão feitas as sopas (sem sal, com legumes xpto, carne xpto ou peixe xpto) da I., quando formos de férias este ano. 

Podíamos levar congeladas?
Não, vamos para um hotel e não um apartamento e não nos responderam quando perguntamos se podiam guardar as caixas na cozinha deles.

Podíamos comprar uma máquina de fazer sopa e levar?
Podíamos mas é super cara e não faz mais nada.

Ao que o homem - que há anos que vem falando da Bimby - sugere aproveitar esta oportunidade que a vida nos deu e seguir finalmente com a aquisição.

Estou um pouco descrente em relação à compra mas dando o benefício da dúvida marco uma demonstração (já do novo modelo).

E meus amigos.. eu que tinha zero expectativas, fiquei totalmente rendida! Aquilo só não tira os pratos da mesa e arruma a cozinha; de resto, faz tudo! Viva a tecnologia. O toque de seguirmos as receitas pelo visor e irmos fazendo o que a máquina diz é absolutamente maravilhoso. Well done, senhores Bimby!

Claro que isto nos abriu um outro problema: a pequenina é cara que dói. E sendo cara que dói, o processo de decisão de a comprar está a ser demorado, com avanços e recuos. Um dia queremos e vamos lá fazer essa loucura, no outro dia se calhar não precisamos assim tanto dela.

Chegamos assim a uma lista de "a favores" e de "contras", que será tida em consideração na decisão final (vamos ter uma segunda demonstração, desta vez particular, de uma amiga que não vende mas tem e é fã).

Ora então:

A FAVOR
- Não é preciso estar o tempo todo da preparação à beira dela - posso usar esse tempo para outras coisas;
- Não queima a comida;
- Cozinha de forma saudável;
- Tem milhares (de milhões?) de receitas;
- Permite planear ementas mensais e enviar lista de compras para o telefone;
- As coisas não "saem mal"

CONTRA:
- O preço;
- Falta de personalidade da comida - as receitas são iguais para toda a gente;
- Continua a ser preciso descascar;
- Risco de não me habituar a ela e não usar;
- Risco de me habituar de mais e nunca mais conseguir cozinhar sem ela

Alguém quer acrescentar alguma coisa?


3 Coisas dos outros

  1. E pensares numa da concorrência? Fica mais em conta e faz o mesmo, a bem dizer!

    ResponderEliminar
  2. Uma colega minha de trabalho comprou uma e na altura ela só falava nas maravilhas da Bimby, acho que até falei disso no meu blogue. Fomos um dia jantar a casa dela e fizemos 3 receitas diferentes. Confesso que fiquei tentada, mas o preço de momento é o maior impedimento.
    Atualmente, parece-me que ela já não a usa tanto, mas sei que para sopas usa. E para quem tem filhos, é uma benção dos deuses, sobretudo pelo tempo que se poupa. Não digo que nunca a comprarei, porque acho que facilmente me adaptaria a ela. Mas de momento, não é a nossa prioridade. Na altura ainda tive para marcar aqui uma demonstração mas achei que depois facilmente cairia na tentação. sei que há pessoas que compram as bimbys e andam 4 ou 5 anos a pagá-la. Essa modalidade, para já, está fora de hipótese porque gosto de comprar quando sei que tenho dinheiro para isso e arrumar logo com a questão, em vez de andar a dispensar um tanto por mês. Mas tal como disse anteriormente, é algo que no futuro me vejo tentada a adquirir, resta é saber se será num futuro próximo ou mais longínquo.

    ResponderEliminar
  3. O fator preço é o que mais implica na compra da bimby! Para além disso tenho algumas dúvidas relativamente à quantidade de comida que ela prepara. Se for um jantar para 6 pessoas, por exemplo, é possível confecionar a comida de uma só vez para essa quantidade de pessoas, sem que ninguém passe fome?!
    https://jusajublog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar