E o workshop de Natal da Bimby?

Li há dias num blogue - que não consigo agora encontrar, já corri metade da blogosfera (mas se a autora se lembrar desse post, que eu até comentei, por favor levante o dedo para eu o identificar correctamente - e peço desculpa!!) que aquele espaço era como que um diário da vida adulta.

Identifiquei-me completamente com esta referência (o comentário foi nesse sentido) e de facto às vezes dou comigo a ler posts antigos da casa e a reviver alguns episódios, alguns dos quais já nem me lembrava. É de facto um diário de grande parte da minha vida adulta e isso, além de todas as outras coisas, tem uma enorme vantagem: quando preciso de ir saber qualquer coisa, recorro muitas vezes aqui. Aconteceu-me há dias com a referência da uma base da Mac que adoro (sabia que tinha feito um post onde a mencionava); acontece-me sempre que quero fazer madalenas, porque é mais fácil vir aqui do que procurar em livros de receitas; e acontece também com restaurantes, quando quero recomendar algum e não tenho ideias.

Por causa disso, já me tem ocorrido que devia desenvolver uma rubrica semanal sobre as receitas da Bimby: o que fiz, o que correu bem, o que tem de melhorar, o que foi um desastre! Porque a verdade é que me esqueço do que faço e se escrever num caderno, poderei esquecer-me também de onde escrevi (ainda que eu adore papel, como se sabe) - a minha memória está pior do que alguma vez na vida esteve, um caco, uma vergonha, uma coisa que nem entendo.

Adiante;
Antes de me aventurar nisso (é um caso em estudo), começar por dizer que o workshop de Natal da Bimby, que foi na verdade um showcooking, foi uma espécie de "dicas para o meu Natal".

Por esta altura já sei o que serão duas das entradas, qual será a sangria, que doces vou fazer, e o que vou dar a duas ou três pessoas. Isto tudo só por ter ido meia tarde ouvir e ver cozinhar. Só por isso, leva twelve points e espero que se repita em breve com outras temáticas.

Para não esquecer:
(nem todas as imagens correspondem à receita original)


Pinhas de queijo e amêndoas



Queijo com doce de pimentos



Sangria de champanhe e morango



Bolo rei



Bolachas de manteiga







Este post tem data de quarta-feira

Depois de ter batido no fundo em termos de (falta de) responsabilidade, fruto acho eu da falta de sono, decidi que precisava de me organizar (mais). A começar pelas manhãs. São muitos, muitos os dias em que só consigo sair depois das nove e meia e isto é vergonhoso em muitos aspectos: somos as últimas a chegar à escola e eu chego ao trabalho quase à hora do café do meio da manhã.

Para melhorar isto, antecipei em vinte ou trinta minutos a hora da minha filha dormir. Geralmente vamos deitá-la pelas nove; agora subimos para as oito e meia. Isto parecendo que não faz muita diferença porque ela tende a dormir doze horas por noite e de manhã levantar-se às oito e meia ou às nove é muito diferente (sim, eu sou dessas que não consegue acordar uma criança a dormir).

Hoje por isso foi uma manhã que correu melhor. Levei-a às nove e dez (sendo que demoramos exactamente um minuto a chegar a pé à escola) e cheguei ao trabalho antes das nove e meia. Vitória, vitória!

Para melhorar, consegui tratar de uma quantidade muito razoável de trabalho e terminar de produzir dois documentos e meio dos seis altamente exigentes, importantes e difíceis que tenho para terminar em duas semanas.

No meio disto, usei a hora de almoço para um saltinho ao ginásio para uma coisa all brand new: body balance. Em termos muito simples é uma mistura de ioga, pilates e tai chi e como efeito promete, entre outras coisas, reduzir o stress e melhorar o humor. Tudo verdade! E um luxo conseguir aproveitar totalmente os últimos cinco minutos da aula, em que estamos tão simplesmente deitados no chão de luzes apagadas, a relaxar. Ainda bem que voltei ao ginásio!

Consegui sair cedo, estar com a pequenina e ir buscar a maior e ainda fomos todas lanchar, movida a C. a bicicleta. Tudo antes dos banhos e jantares e de meter todo o mundo na cama! Fossem todos os dias assim (à excepção da falta a vermelho na caderneta do pai!).

De novo a tatuagem

Já perdi a conta às vezes que falei deste tema: a minha para sempre eterna tatuagem por fazer.

Agora, com esta diferença:

Sábado passado fomos finalmente ao estúdio onde a magia vai acontecer e notas sobre a visita:

- ADOREI o espaço!
Ainda não conhecia porque veio de uma prenda dos meus amigos (o voucher para a fazer) mas gostei muito. Super limpo, arejado, moderno. As pessoas com quem falei super simpáticas e acessíveis. Acho que estou mesmo no sítio certo.

- ADOREI a ideia!
Abri o jogo dizendo logo de caras que ainda não tenho bem, bem a certeza do que quero, mas que adoro letras e palavras, tenho duas filhas e seria algo por aí. A ideia que me deu, assim ali em dois minutos de conversa, encaixou na minha vida como o vestido de noiva quando é "o tal". Algo que nunca tinha pensado mas que amei, mesmo! Vamos trabalhar na ideia até ao desenho final e tenho trabalhos de casa para fazer nessa matéria.

Estou ansiosa por ir efectivamente fazê-la!
Disse-me que uma hora será suficiente para fechar o desenho, desenhar, colocar no sítio e tatuar. A tatuagem em si deverá demorá quinze minutos. Dor, ora bem (palavras dele - mas eu pari duas vezes! Somos homens ou somos ratos?!)

Quando é que isto vai acontecer?
Data incerta.
Enquanto durar a amamentação, nada de tatuagens, por isso estou dependente da mai'nova! Mas agora que o processo avançou, temos tempo para a execução. Sem ter poderes adivinhatórios, aponto para Fevereiro. Ou então, giro, giro era de prenda de anos! Caso a pensar.

I am titanium!

No meu carro tem passado em repeat Postmodern Jukebox. Além de serem brilhantes, dão um novo ânimo às minhas viagens. Adoro a magia que fazem aos clássicos, não há nenhuma música má (se nunca ouviram chibatadas para vocês!). Foi de resto o último concerto que vimos!

Uma das minhas músicas preferidas é sem dúvida a Titanium, um original creio que do David Guetta com a Sia mas a que PMJ deu no entanto toda uma nova vida - e honestamente nem me lembro como soa o original. Toca vezes sem fim e nunca me canso. Acho que por que passou a ser um bom lema de vida. 

Shoot me down but i won't fall.
I am titanium!



E o power com que ele canta?
Ora vejam lá!:



Surf Day (em Setembro!)




Para algo totalmente novo, fomos experimentar uma aula de surf!
(Pasme-se!)
O meu homem andava com a ideia há algum tempo e eu, embora seja pouco dada a experiências aquáticas desta envergadura (veja-se o dia em que quase morri) alinhei.

Escusado será dizer que não consegui por-me em pé (qual em pé!, nem de joelhos!) uma única vez na prancha mas ao homem correu bem melhor. E note-se que ele tem mais trinta centímetros que eu por isso para ele é bem mais difícil (notar também que não sou eu que sou baixa; ele é que é muito alto. E põe muito nisso!)

Saímos com ele entusiasmado para regressar (ainda não aconteceu mas deixa vir o sol, daqui a quarenta e sete meses) e comigo feliz de ter experimentado uma coisa totalmente nova. O bem que nos faz sair da caixa! Depois disto, prontinhos para saltar de pára-quedas!

Fins-de-semana de encher o coração

Em pleno alerta de furacão Leslie decidimos (bom, em rigor já estava decidido há alguns meses) que havíamos de ir passar o fim-de-semana a Coimbra. É uma tradição anual que me enche o coração: juntam-se as meninas (nós!), maridos e prole e vamos. Três dias a matar saudades desta amizade tão, tão boa. 

Ficamos este ano numa casa, onde fazemos churrascos e jantares demorados, onde estamos todos juntos todo o tempo, onde é confortável. Mas na noite de sábado para domingo, pouco depois das onze da noite (mas a meio da sobremesa!), foi-se a luz e a água. Doze horas depois estávamos a fazer check out e não havia voltado.

Foi em versão acampamento que nos instalamos na sala. Telemóveis em modo lanterna e muito perto de campismo. Muito, muito vento, chuva imensa, e nós no meio do furacão. O facto de ninguém do hotel ter feito uma ronda pelas casas a perceber o estado da nação, foi algo que só dias depois nos ocorreu. Na verdade podia ter corrido mal (havia inclusivamente crianças em casa) mas na altura ninguém se lembrou disso. Éramos só nós às escuras na sala, sem net, sem luz, sem nada. O básico do básico, mas com aquilo que é realmente importante: as nossas pessoas.

Por causa da falta de atenção do hotel, acabamos por receber vouchers de uma noite para repetir a experiência (desta vez sem Leslie, por favor) e voltaremos em breve. Por isso o próximo ano será não de um, mas de dois fins-de-semana destes (segundo em local ainda a definir), prova de que tudo na vida tem um lado positivo. 


O problema foi ensinarem-nos que temos sonhos

Com mais frequência do que gostaria, ouço muitas vezes na cabeça a minha conversa de despedimento com o meu chefe. O dia em que lhe vou dizer que o problema não é ele, mas eu. Que me ensinaram que podemos ser tudo o que quisermos. Que é bom ter sonhos e que se podem tornar realidade. Que o trabalho para a vida não existe e nem eu o quero. Que estou cansada do certo e me apetece perder a cabeça. Que sei que posso fazer um trabalho útil e importante, que posso ajudar efectivamente alguém, resolver algum problema, produzir coisas necessárias. Que a grande parte do tempo não faço a mais pequena ideia o que estou ali a fazer. Não sei o meu lugar mas sinto-me desconfortável com o que ocupo. Que não há futuro. Não vou a lado nenhum e perdi a esperança. Sim, há muita coisa que eu gosto, há imenso por que estou imensamente grata. Mas o meu dia custa a passar porque o tempo todo estou a fazer coisas em que não acredito, onde não vejo valor, que são o oposto daquilo que eu sou, que não resolvem mas complicam, que não ajudam mas dificultam. E sei, eu sei, que há tanto potencial nesta função. Estou cansada. Cansada de estar zangada. Cansada de não consegui apenas aceitar e estar constantemente em negação. A acreditar que as coisas podem mudar um dia. Constante reclamação. Passou tempo suficiente para saber que nada vai ser diferente daqui em diante. E embora me falte a coragem (ou me pese o sentido de responsabilidade) eu sei que tenho sonhos e o problema é acreditar que eles se podem realizar. 

Update do ginásio

Vou evitar fazer updates semanais do ginásio para não espelhar vergonha própria mas esta primeira semana vai ser uma excepção.

O plano que subscrevi inclui, além do ginásio propriamente dito, consultas de nutrição e foi por aí que comecei.
A parte menos boa da conversa foi ter-me dito que estou no limite da massa gorda e que a massa muscular é vergonhosa. Quanto ao resto, passou-me um plano alimentar, que é tão igual ao que fazia, que ainda não fiz nada de diferente.

Depois da consulta, estreei-me no ginásio!
Voltar a uma aula quatro anos depois foi como uma festa. Custou-me imenso, confesso! Mas saí de lá imensamente motivada e cheia de energia. Vou guardar este sentimento numa caixinha e abrir sempre que pensar em baldar-me!

Vou tentar começar por duas vezes por semana e se até ao final do ano conseguir cumprir este objectivo, em Janeiro (nos saldos!) aposto numas sapatilhas novas. Dizer que nesta matéria, não obstante a minha felicidade evidente, estava totalmente a destoar do panorama global. Não fazia ideia que havia tanta produção do mulherio para uma simples aula! No meu tempo levávamos a "roupa de casa"; agora, há todo um look poderoso. Aposto que a culpa é do instagram; não caía bem fotos a fazer ginástica com modelitos desactualizados (and by the way, qual é a razão mesmo de postar fotos "ah tanto exercício que eu faço?" - É outra conversa, ok). Reconheço que a minha roupa não combinava (das sapatilhas nem falo) e quem sabe como prémio de bom comportamento possa apostar numas coisinhas no próximo ano.

Estou cheia de energia e vontade e só quero que dure!
A próxima investida será em ioga! Vam'bora!!

Halloween 2018 sem surpresas

Só para dizer que a minha filha mais velha foi, nada mais nada menos, de


Isso, de Elsa.
Embora me tenha dito a dada altura que a Elsa "não era assustadora" e que queria "ir de morcego", lá mudou de ideias e quis ir assim. Uma princesa. Está certo!

Dia 1

Falta exactamente um mês para o dia da Casa Natal.
Dia de montar a árvore, os presépios, todas as decorações, de colar autocolantes nas janelas de vidro, de ouvir o Coro de Santo Amaro de Oeiras enquanto comemos filhoses e somos felizes. Quase que já ouço a música de fundo, não ouvem?

Obrigada ao homem!

Desde que a Uber Eats assentou arraiais no Porto, temos encomendado algumas vezes. Não muitas, para ser sincera, mas lembro-me de dois ou três jantares e de uma loucura chamada um-litro-de-gelado-Santini.

Nunca no entanto tínhamos feito aquilo que o meu homem fez no domingo de manhã, coisa mais fofa! 

Quando cheguei à sala de manhã e perguntei à C. o que queria de pequeno-almoço, disse-me que já tinha pedido pão com fiambre e sumo de laranja natural e que o senhor estava a trazer.

Say what?

Conclusão, Uber Eats para pequeno-almoço e pãozinho fresco pela manhã para estas três alminhas (a mais pequenina dormia - e na verdade ainda não come como gente grande).

Com este plus: o menu pequeno-almoço veio da Leitaria da Quinta do Paço (essa bela instituição), pelo que a acompanhar a opção mais saudável, senhor meu marido juntou um mini eclair MARAVILHOSO, que fez de mim uma pessoa mais feliz logo de manhã.

Beijinhos, beijinhos ao homem (e notar que amanhã é feriado!)


(Esta imagem é tortura, eu sei!)

Estou em pulgas, pronto!

Recebi um convite para um workshop de Natal da Bimby.
Eu sei, podem gozar!

A ideia é aprender a fazer comida para receber família e amigos nessa altura, mas também lembrancinhas. Já estou a imaginar pequenos frascos de compotas e latas de bolachas, tudo caseiro!

Adorei o convite e já ando a contar os dias.

Outra coisa que ando a contar é o número de vezes que já disse Natal e ainda estamos em Outubro. Posso garantir que já vai elevado e ainda a procissão vai no adro. Que é como quem diz, faltam na verdade menos de dois meses!


Anjinhos de Natal

Pessoas, pessoinhas!

Está ON a edição de 2018 dos Anjinhos de Natal, essa iniciativa tão bonita que por aqui temos apadrinhado há vários anos.
Este ano não foi excepção e já adoptamos o nosso.
Se tiverem oportunidade, não se esqueçam.
(E ainda é cedo para dizer "feliz Natal" certo?)


Mas A grande notícia de Outubro é..!

Não, não estou grávida!

Estou sim inscrita num ginásio! 
Palmas, palminhas, soem as cornetas!

O primeiro dia da inscrição é precisamente segunda-feira (sim, amanhã) e eu quero juntar todas as minhas energias positivas e IR. Quero muito conseguir ir, prometo que vou fazer um esforço.

Para o início, o plano é hora de almoço - aquela hora que atrapalha menos a logística familiar e que na verdade apenas vai substituir o tempo da refeição. Passarei a comer em frente à secretária porque terei usado essa hora a fazer desporto. Quão maravilhoso é isto? Muito!

Estou super entusiasmada e espero mesmo que resulte.
Para além do desporto em si, perda de peso, tonificação, etc., será um tempinho para fazer uma coisa diferente por isso motivação no alto. Let's vamos!


Yes!

O meu homem está a chegar de uma viagem aos Estados Unidos. Os meus pais foram para a Irlanda. Eu estou no Porto e tinha uma reunião ontem em Lisboa, a que não fui por ausência manifesta de babysitting. 

Quando expliquei ao meu chefe que, com muita pena minha não podia ir porque marido tal, mãe coiso, perguntou-me se a pena era de não ir aos Estados Unidos ou à Irlanda.

E eu nem sei bem!
Tinha o homem em Atlanta e os meus pais com o meu irmão. Decisions, decisions..!

Com isto, não vou viajar há tanto tempo que nem me lembro da última vez (lembro, lembro, foi Itália o ano passado - tirando Espanha neste Verão).

Por esse motivo, tchanan na nan!, vamos marcar um fim-de-semana a dois para o início do próximo ano (em que eu estou a admitir que a minha mais nova terá deixado a amamentação) e não se fala mais nisso; sobretudo não se fala de estar dois dias sem crianças nem de saudades!

Oh yes!